R. Catão Mamede, 836 - Aldeota | Fortaleza/CE(85) 3224-7266 Seg - Sex: 07:00 - 21:00 | Sáb: 08:00 - 12:00 /

Blog Imagem Pequena

Ortopedista Infantil – Pediátrico: Conheça os problemas ortopédicos mais comuns da infância

Problemas ortopédicos da infância devem ser avaliados por seu ortopedista infantil, mas nem sempre preocupam. Conheça as principais condições infantis

 

Crianças em tenra idade podem apresentar algumas características ortopédicas distintas. Pé chato, andar na ponta dos pés, ter os pés virados para dentro ou para fora, pronação ou supinação da pisada, distorções das pernas como joelho em valgo ou varo… Todas essas e muitas outras condições, que nem sempre indicam problemas ortopédicos da infância, devem ser avaliados por um ortopedista infantil.

Manter a calma e consultar seu ortopedista infantil pode ser o ideal. Ele é o profissional mais capacitado para dizer se as queixas relatadas pelos pais são, ou podem vir a ser, problemas futuros ou não.

À medida que as crianças crescem, algumas dessas condições se corrigem sem tratamento. Entretanto, outros problemas ortopédicos podem se tornar ainda mais graves. Muitas condições ortopédicas ósseas, como os joelhos em valgo ou varo (pernas em tesoura ou arqueadas) e os pés virados para dentro ou fora, são apenas variações normais da anatomia humana que não precisam ser tratadas.

Seu ortopedista pediátrico será capaz de avaliar cada caso.

Pé chato
A maioria dos bebês nasce com o pé chato e desenvolvem o arqueamento plantar correto com o desenvolvimento. Mas em algumas crianças o arco nunca se desenvolve completamente. Os pais muitas vezes percebem isso, pois seus filhos aparentam ter o que eles descrevem como “tornozelos fracos”. A condição faz parecer que os tornozelos viram para dentro a medida que os pés tocam o chão.

Pé chato geralmente não é considerado um problema ortopédico na infância. Ortopedistas só consideram o tratamento se ele se torna doloroso. Seu Ortopedista Infantil também não deverá recomendar qualquer calçado especial, porque eles não afetam o desenvolvimento do arco plantar.

Os pais às vezes se preocupam que o pé chato deixará seus filhos mais desajeitados do que as outras crianças. Um ortopedista pediátrico porém aconselhará, na maioria das vezes, que o pé chato, sem outra condição associada, não é motivo de preocupação e não interferirá, por exemplo, na prática de esportes.

O ortopedista infantil de seu filho pode recomendar a inserção de palmilhas com suporte de arco. Elas reduzirão a dor no pé caso a criança dê sinais.

Andar na Ponta dos Pés
Andar na ponta dos pés é uma pratica comum quando crianças aprendem a andar, especialmente durante o segundo ano de vida. A tendência muitas vezes desaparece aos 3 anos, embora dure mais em algumas crianças.

A caminhada na ponta dos pés, de forma ocasional, não deve ser motivo de preocupação. Mas crianças que andam na ponta dos pés quase todo o tempo e continuam a fazê-lo após 3 anos de vida devem visitar um ortopedista infantil.

Andar persistentemente sobre as pontas dos pés, ou sobre a ponta dos pé de apenas uma das pernas, pode estar ligado a outras circunstâncias. Paralisia cerebral, fraqueza muscular, autismo e outros problemas do sistema nervoso devem ser verificados. Consulte seu ortopedista pediátrico se esse for o caso do seu filho.

Se uma criança saudável anda persistentemente na ponta dos pés, o médico pode recomendar algumas visitas a um fisioterapeuta. Eles podem fazer um acompanhamento e até mesmo ensinar aos pais alguns exercícios de alongamento.

Pés virados para dentro (ou para fora)
Os bebês podem ter uma tendência natural de apontar os pés para dentro ou para fora até 8 a 15 meses de idade, quando começam a ficar de pé. À medida que envelhecem os pais devem começar a perceber se seus filhos continuam a andar com os pés voltados para dentro ou fora. A condição pode ter algumas causas, mas normalmente são variações normais na forma como as pernas e os pés se alinham.

Crianças que andam com os pés virados para dentro e tropeçam frequentemente podem sofrer torção interna da tíbia. A parte inferior da perna é girada para dentro. Crianças com mais de 3 ou 4 anos de idade podem ter anteversão femoral, o que deve ser examinado.

Em algumas crianças, pés virados para dentro podem estar relacionados a problemas médicos, tais como paralisia cerebral. Seu ortopedista pediátrico deve ser consultado no caso de rotação mais acentuada dos pés ou outras suspeitas.

Ortopedistas pediátricos raramente veem necessidade de tratar pés virados para dentro. Sapatos especiais e aparelhos, normalmente usados ​​no passado, nunca provaram sua eficácia. A melhoria dessa condição é natural e lenta. A condição dos pés virados para dentro geralmente não interfere no andar, correr ou na prática de esportes.

A condição termina por conta própria, quando as crianças crescem e chegam à adolescência e desenvolvem melhor controle muscular e coordenação.

Pernas arqueadas (Joelho Varo)
O arqueamento das pernas (também chamado joelhos em varo) é uma flexão exagerada, para fora, dos joelhos, que pode ser hereditária. É comum em bebês e, em muitos casos, corrige-se quando a criança cresce.

Joelho Varo além da idade de 2 anos pode ser o sinal de problema. Raquitismo ou doença de Blount devem ser investigadas. Raquitismo é um problema de crescimento ósseo normalmente causado pela falta de vitamina D ou cálcio no corpo. Ele provoca profunda curvatura das pernas e também pode causar dor muscular e alargamento do baço e do fígado. Porém o Raquitismo é muito pouco comum hoje em dia.

O arqueamento das pernas causado por raquitismo é quase sempre corrigido pela adição de vitamina D e cálcio na dieta. Alguns tipos de raquitismo, no entanto, ocorrem devido a uma condição genética. Estes tipos podem precisar de tratamento mais especializado de um endocrinologista.

A doença de Blount é uma condição que afeta a tíbia. O arqueamento das pernas decorrente da doença de Blount é visto em crianças a partir de cerca de 2 anos de idade. Pode aparecer de repente e rapidamente se tornar pior. Sua causa é desconhecida, mas causa crescimento anormal na parte superior do osso da tíbia juntamente à articulação do joelho. Para corrigi-la, as crianças podem precisar de imobilização ou cirurgia por volta de 3 e 4 anos de idade.

Você também deve levar seu filho ao ortopedista infantil se o arqueamento das pernas afeta apenas um lado ou fica progressivamente pior.

Perna em tesoura (Joelho Valgo)
A maioria das crianças mostra uma tendência moderada para a reclinação dos joelhos para dentro entre as idades de 3 e 6 anos. Nessa fase o corpo passa por uma mudança de alinhamento natural. O tratamento quase nunca é necessário porque as pernas normalmente se alinham por conta própria.

Joelho valgo mais pronunciado ou que se apresenta em apenas um lado do corpo, às vezes precisam de tratamento com um ortopedista infantil. Botas ortopédicas, talas, e outros dispositivos ortopédicos não são mais usados. Em casos raros em que as crianças têm sintomas como dor ou dificuldade para correr a cirurgia pode ser considerada após os 10 anos de idade.

Quem é o Ortopedista Infantil?
O ortopedista pediátrico ou infantil é o médico mais experiente para avaliar e tratar problemas músculo-esqueléticos em recém-nascidos, crianças e adolescentes ainda em fase de crescimento.

As crianças não são adultos pequenos. Eles nem sempre podem dizer o que os está incomodando, ou responder a perguntas médicas durante um exame médico. Ortopedistas pediátricos sabem como examinar e tratar as crianças de forma a ajudá-los a se sentirem relaxados e cooperativos. Têm também experiência em se comunicar com familiares ansiosos.

A maioria dos ortopedistas infantis são formados e se atualizam-se ortopedicamente tendo crianças em mente. Seus consultórios e equipamentos são especialmente concebidos para recebê-las. Brinquedos, vídeos e materiais de leitura, ajudam a criar um ambiente confortável e para as crianças.

 

FONTE: Ortopedia BR

Compartilhe esta postagem

Deixe uma resposta

Atendimento via WhatsApp
Powered by